Blog

Frio: Quando não se morre da causa morre-se da solução?

Autor: PassivHaus
15/04/2020



Infelizmente Portugal é um país pobre energeticamente. A maioria dos portugueses simplesmente não consegue climatizar as suas casas.

 

Quase 22,5% (cerca de três vezes a média europeia, 8%) dos portugueses afirma não ter capacidade para aquecer devidamente a sua casa. E entre as pessoas em risco de pobreza esse número sobre para quase 43%.

 

Estes números são assustadores e devem-se essencialmente a dois factores: por um lado a qualidade dos edifícios, nomeadamente de habitação, é muito fraca e, portanto, é necessária muita energia para aquecer, por outro a energia é muito cara e as pessoas simplesmente não têm dinheiro.

 

Portugal é o 5º país da UE com mais pessoas a ter dificuldade em ter disponibilidade financeira para aquecer a casa.

 

 

 

 

Os edifícios portugueses são de fraca qualidade térmica, são desconfortáveis essencialmente por falta de isolamento térmico, mas há outras razões, como por exemplo a fraca caixilharia.

 

 

Fonte: www.shifter.sapo.pt

 

 

Não será de estranhar que nas zonas mais frias de Portugal pessoas mais velhas e frágeis, geralmente com menores recursos financeiros estejam em situações de grande risco.

 

De acordo com os dados mais recentes do Instituto Nacional Ricardo Jorge, são cerca de 400 mortes por ano em Portugal devido ao frio.

 

Para conseguir viver com o conforto mínimo em habitações que deixam escapar todo o calor, muitos recorrem às lareiras, salamandras ou aquecedores a gás. Mas é preciso cuidado, porque a utilização destes equipamentos permite a libertação de monóxido de carbono.

 

 

Fonte: Notícias de Viseu (Shutterstock/Monkey Business Images)

 

 

O monóxido de carbono é um gás que não se sente, mas é potencialmente letal.

 

Por isso, não é raro ouvir casos de acidentes com intoxicação por inalação de monóxido de carbono, nomeadamente entre os mais idosos. E infelizmente todos os anos há mortes devido a estes acidentes…

 

Equipamentos com defeito, má utilização ou fraca ventilação dos espaços onde se encontram são algumas das causas para a ocorrência destes acidentes e mortes.

 

As pessoas, nomeadamente os mais desprotegidos, se não morrem de frio… morrem da solução.

 

Não seria interessante ter uma habitação confortável e eficiente, quase sem necessidade de climatização? E não precisa de comprar casa nova ou fazer de novo. Os requisitos de uma Passive House podem ser atingidos também numa reabilitação.

 

Desta forma poupava dinheiro, diminuía o risco de acidente e ainda garantia o conforto e saúde dos seus durante todo o ano.

 


Tag(s): #Inverno, #Saude, #Conforto

Subscreva a Newsletter Passivhaus Portugal

   
   
© 2018 Associação Passivhaus Portugal
by INOVAnet

Associação Passivhaus Portugal